Metal Global conversou com Zacky Vengeance

Metal Global trouxe na edição 157 de seu programa da rádio portuguesa Antena Rock, uma entrevista com o guitarrista Zacky Vengeance, na época em que a banda se apresentou em Campo Pequeno (Portugal), onde o guitarrista falou sobre as críticas de Robb Flynn, comparações com Metallica e Guns N’ Roses, o processo de gravação do novo álbum, sobre o crescimento de seu público ao longo do tempo e mais. O site disponibilizou a entrevista em áudio (não profissional) e você pode conferir clicando no link abaixo :

Metal Global :Vamos começar pela Turnê. Como está indo?

Zacky Vengeance : Está indo muito bem. Poder voltar à Europa, voltar muitos países diferentes, tantas línguas diferentes, esgotar ingressos, tocar em grandes palcos… É magnifico!

Metal Global : Nos surpreendeu que o seu público ainda esteja crescendo com o passar do tempo.

Zacky Vengeance : É isso que todos esperamos como banda. Criamos músicas que adoramos e esperamos que elas se traduzam aos nossos fãs no mundo inteiro. Estamos emocionados. Sempre que entramos em turnê, fazemos o melhor show que conseguimos e esperamos que a cada vez seja melhor e mais intenso. Ver isso acontecendo de fato é fantástico.

Metal Global : Passando ao Hail To The King, o seu novo álbum, estão felizes com ele?

Zacky Vengeance : Absolutamente! Investimos bastante tempo nele, foi o álbum que demoramos mais tempo para escrever. Estivemos muitos meses no estúdio gravando. Voamos para Nova Iorque por cerca de um mês para fazer a mixagem do álbum com o Andy Wallace. Estamos extremamente orgulhosos. Acho que conseguimos atingir tudo o que planejamos quando começamos a escrever o álbum.

Metal Global : Tenho que falar sobre isto : quando o álbum saiu, o Robb Flynn (Machine Head) disse que ele era uma cópia do Metallica e do Guns N’ Roses. Vocês se incomodaram com esses comentários?

Zacky Vengeance : Para ser sincero, cada grande artista se inspira nos seus grandes artistas e cada artista ruim se inspira nos seus artistas ruins. Não me interessa o que as pessoas dizem. A prova está no fato de que estamos a esgotando ingressos no mundo inteiro. Eu acho que as pessoas ficam com ciúmes e tentam fazer comparações, mas qualquer um pode pegar numa guitarra, escrever músicas e serem melhores do que nós.

Metal Global : Eles podem? (risos)

Zacky Vengeance : Essa é a questão!

Metal Global : Eu gosto muito do Hail To The King. É um álbum muito mais direcionado, vocês vão pelo lado mais tradicional do Heavy Metal. Aproveitando a comparação com o Metallica, acham que este álbum pode ser para vocês como o Black Album foi para eles?

Zacky Vengeance É muito difícil dizer, porque esse álbum marcou um momento na carreira deles e os levou para um novo patamar. Ele também criou uma grande barreira na comunidade do Metal e eu de certa forma vejo isso acontecendo com este álbum (Hail To The King). Nós escrevemos este álbum porque era o certo para fazermos. Temos tocado em grandes locais no mundo inteiro, temos sido headline de vários festivais. É preciso haver simplicidade, por exemplo em certas partes da bateria. As nossas músicas não podem ser tão Trash e se você ver o que já fizemos, isso está por todo lado. Desta vez quisemos fazer algo que tivesse mais atmosfera, em que as pessoas pudessem cantar juntamente com a canção e eu espero que isso defina o ponto onde estamos na nossa carreira e que isso nos leve ao próximo nível e parece que isso está acontecendo.

Metal Global : Quando eu estava vindo para o show (Quando a banda se apresentou em Campo Pequeno, Portugal) estava pensando que este pudesse ser o Black Album de vocês e eu pensei que talvez o City Of Evil fosse Master Of Puppets e o Nightmare fosse o seu… And Justice For All. O que acha sobre isso? (risos)

Zacky Vengeance : Cada um dos nossos álbuns tem sido um passo para frente e ao ouvi-los você pode pensar “eles são jovens, mas são muito ambiciosos”. Um álbum como o City Of Evil não é muito focado, tem um pouco de tudo. É muito Trash, mas ao mesmo tempo também é melódico e há muito coisa acontecendo. Há muita guitarra, muito overdub (técnica que consiste em adicionar novos sons a uma gravação anterior), muitos vocais, muitos vocais de fundo, as batidas da bateria são loucas… Com o Nightmare tentamos focar a nossa forma de escrever e definir o nosso próprio som e eu acho que conseguimos isso e nas circunstâncias em que estávamos, o fato de termos perdido o The Rev que era o nosso melhor amigo… tivemos que fazer aquele álbum nas piores circunstâncias possíveis. Dessa forma, um lado mais frio e obscuro saiu dali mas isso também despertou a nossa paixão pelo qual nós fazemos isto e nos fez trabalhar mais do trabalhamos antes. Com o Hail To The King estamos juntando todos esses pedaços e crescendo um pouco. Estamos ficando mais crescidos, mais maduros, olhamos para o que já fizemos e tentando fazer algo diferente. Não espero que todos achem que foi o melhor álbum que já escrevemos, cada um tem a sua opinião. Algumas pessoas dizem que o melhor é o City Of Evil, algumas dizem que é o Self -Titled, outros adoram o Nightmare, e também os que acham que o melhor é o Hail To The King. Mas o que ele faz mesmo é colocar um novo especto de música para quem nos ouve. Eles podem ter algumas músicas favoritas do Hail To The King, algumas músicas favoritas do Nightmare… Eu acho que essa é a chave. Chegar para todos os tipo de pessoas. Ninguém quer estar sempre ouvindo Trash e ninguém quer estar sempre ouvindo música progressiva. Eu mesmo gosto de ouvir um pouco de tudo. Desta vez eu não estava ouvindo Far Beyond Driven (álbum do Pantera) quando estava trabalhando no City Of Evil ou Waking The Fallen. Nessa momento estávamos ouvindo muito Pantera, muito Master Of Puppets… Desta vez estávamos ouvindo muito AC/DC e Black Sabbath. Obviamente adoramos o Black Album, é impossível não voltar a esse álbum para nos inspirarmos. É um álbum notável. E então nós quisemos prestar uma homenagem a todas as grandes bandas com as quais nós crescemos. É óbvio que nos inspiramos neles e eu acho que todas as bandas são inspiradas por outras grandes bandas. Portanto as influências vão passar por nós e eu acho que isso é, como eu já disse, o que acontece com todos os artistas.

Metal Global : Falando de grandes bandas como o Metallica, Iron Maiden e Judas Priest : as carreiras deles vão acabar mais cedo ou mais tarde e eu li na Metal Hammer que o Matt (M Shadows) disse que vocês estão prontos para carregar a tocha deles. O Hail To The King já saiu e vocês estão a tocar para grandes públicos e tudo mais. Você acha que estão mesmo preparados para serem a próxima banda de arena? Não digo agora, mas talvez em três anos. Você acha que estão prontos para ter essa responsabilidade?

Zacky Vengeance : A cada show que fazemos e a cada decisão que tomamos, esperamos que um dia consigamos continuar o legado do Heavy Metal e do Rock. Porque ele já está há tanto tempo, há tantas bandas como o AC/DC, Black Sabbath, Korn, Metallica, Iron Maiden… Essas são as bandas que nós adoramos e se nós formos capazes de seguir os seus passos e um dia ter os filhos dos nossos fãs ouvindo as nossas músicas isso seria fantástico. Nós iriamos adorar conseguir concretizar isso. Dessa forma vamos continuar trabalhando todos os dias e fazendo o melhor que conseguirmos.

Créditos pelo texto da entrevista : Avenged Sevenfold Portugal

Image


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s